Márcio França assume oficialmente, neste sábado, dia 7 de abril, a cadeira de governador do Estado de São Paulo. Ele substitui Geraldo Alckmin que se afasta para disputar a presidência da República. Político vicentino, França promete olhar com muito carinho para a Baixada Santista. Ele conversou com o Blog Santos Em Off. Confira:

 

Governador, chegou a hora da Baixadas Santista ter mesmo voz junto ao Governo do Estado?

A Baixada Santista terá ampliada a atenção que já recebe. As obras na entrada de Santos já são uma prova disso. Vamos fazer de tudo para viabilizar a ponte ligando Santos ao Guarujá, por exemplo, e dar especial atenção às reivindicações das cidades da região.

Neste um ano à frente do governo e a possibilidade de ser eleito por mais 4 anos quais serão suas prioridades?

Uma delas será os jovens, que precisam de oportunidades para se preparar para o mercado de trabalho e apoio para seguir o caminho certo na vida. Vamos ampliar os cursos superiores a distância e agir para afastar os jovens das más influências. Hoje, eles são disputados pela criminalidade e temos que evitar isso oferecendo capacitação, primeiro emprego e inclusão social. Vou me dedicar a inclusão de todas as formas.

O senhor sabe que temos problemas sérios de segurança e saúde. Quais são seu planos para amenizar isso na região?

Acredito que o melhor caminho para a segurança é a inclusão social. É dar opção aos que podem seguir por caminhos errados. Além disso vamos valorizar as polícias. A saúde receberá toda atenção, com a ampliação dos serviços prestados.

Na disputa pelo governo do Estado, o senhor crê que grande parte do PSDB vai apoiá-lo ou o partido segue todo com o Dória?

A cada dia recebo mais adesões de lideranças do PSDB, além de outros partidos. Esse movimento certamente vai aumentar.

O fato de ter todos os prefeitos da Baixada Santista aliados ao governo do Estado vai ajudá-lo em qual proporção?

Os prefeitos já perceberam que terei uma atenção especial à nossa região. Tenho certeza que eles estarão com nosso projeto para o Governo de SP.

Como lidar com o desgaste do PSDB há 20 anos no poder e tentar não ser prejudicado com isso?

Meu partido é o PSB, de onde nunca saí. Estamos cada vez mais fortes e muita gente do PSDB está conosco e este ritmo de adesão deve aumentar.

Com será a transição para o governo do PSB, a partir do dia 7? Todos os secretários serão trocados?

Não há esta preocupação neste momento. Temos que manter as conquistas do governador Geraldo Alckmin e dar também a nossa marca ao Governo. Vamos saber fazer isso com bom senso e responsabilidade.

 

A conferir.