O clima promete esquentar e parece que vão voar penas coloridas no diretório municipal do PSDB, em Guarujá. Nesta semana, foram definidos os dois candidatos que disputam o comando do partido no Município, no dia 8 de outubro. De um lado está Gilberto Benzi, secretário de Desenvolvimento Econômico e Portuário, do governo Valter Suman (PSB), que foi derrotado, mas teve 22 mil votos para prefeito, e Sandro Mastelari, filho do cantor Luiz Américo, que obteve 1,2 mil votos para vereador e ficou fora da Câmara Municipal.

Uma certeza é que até o dia dos filiados votarem muita coisa vai acontecer. Uns dizem que a eleição servirá para transformar o diretorio provisório em definitivo, mas por trás da disputa, existe gente que quer permanecer na base e no governo de Suman e outros que defendem a saída do governo e a quebra da aliança estadual entre PSB e PSDB, na Cidade.

Hoje, os tucanos têm duas secretárias no governo guarujaense: Dirceu Marçal, Infraestrutura e Obras; e Gilberto Benzi, no Desenvolvimento Econômico e Portuário. Na base de sustentação, dois vereadores votam com a situação: Peitola e Raphael Vitiello.

As divergências vêm desde o segundo turno da eleição de 2016 quando o Tucanato embarcou na candidatura e vitória de Suman contra Haifa Madi.

O cacique Raul Christiano tem tentado apaziguar a situação e unir o partido, já de olho nas eleições gerais de 2018 e no lançamento de alguns nomes para representar a Cidade na Assembleia e Câmara dos Deputados. Por outro lado, alguns garantem que somente o desembarque da base e do governo pode levar o PSDB a ter alguma chance de eleger alguém por Guarujá.

Uma composição e o lançamento de chapa única foram discutidos, mas a existência de duas chapas, ao contrário do pode mostrar, deixa claro que existe uma profunda divisão e uma crise a ser administrada na Pérola do Atlântico.

A conferir.