Confira a opinião dos candidatos a presidente do Santos sobre a situação financeira do clube

O Blog Santos Em Off publica,  nesta terça-feira, dia 5 de dezembro, a continuação das entrevistas com os quatro candidatos a presidente do Santos Futebol Clube. A cada dia serão publicadas três perguntas e as respostas de cada um. A ordem de publicação será o das chapas: 1 a 4. Os temas abordados são: futebol profissional; categorias de base; marketing, administração e finanças, patrimônio, estádio e jogos; relacionamento e marca; sócios.

1- “Movimento Somos Todos Santos”, que traz José Carlos Peres, presidente e Orlando Rollo, vice.

2- “O Santos Que Queremos”, que tem Nabil Khaznadar, presidente e Fábio Pierry, vice.

3- “Santástica União”, com Andres Rueda, presidente, e José Renato Quaresma, vice.

4-“Santos Gigante”, com Modesto Roma Júnior candidato a presidente e César Conforti, vice.

José Carlos Peres- Chapa 1

Qual seu conhecimento sobre a atual situação financeira do Santos?

Acompanhamos com muita atenção os números desde 2015, quando a atual gestão teve as contas reprovadas. Ao contrário das alegações, a dívida cresceu e precisa ser estancada e a partir daí ter o seu pagamento melhor equacionado.Vamos encarar isso de frente.

O ano de 2018 será de investimentos no time? Tem em mente um valor necessário para isso?

Sim. Com os pés no chão e atenção ao mercado. Não é preciso rios de dinheiro para que se tenha um time forte. O ano de 2017 mostrou isso com clareza. Contratações mais midiáticas normalmente mais caras devem estar atreladas aos ganhos de imagem. Um departamento de marketing mais ativo auxiliará nesse processo.

Dá para arriscar que 2018 será um ano vitorioso?

Sim, será. O Santos necessita estar sempre na disputa pelos títulos. Isso é fundamental ao incremento de receitas

 

Nabil Khaznadar- Chapa 2

Qual seu conhecimento sobre a atual situação financeira do Santos?

Temos a informação de que a situação é muito delicada. Nossa dívida é de cerca de meio bilhão de reais. Ao contrário do que insiste dizer o atual mandatário, o rombo aumentou nos últimos anos. Minha maior preocupação é o passivo bancário de curto prazo. O Santos paga cerca de R$ 10 milhões de juros por ano para os bancos. Isso é quase o valor do patrocínio da Caixa, sem o bônus por conquistas. Temos também uma folha de pagamento com mais de 700 funcionários. Um verdadeiro absurdo. O Bayern de Munique não tem nem metade disso. Que clube aguenta isso?

O ano de 2018 será de investimentos no time? Tem em mente um valor  necessário para isso?

Antes de pensar em investimentos será preciso abrir a caixa preta do clube. Sabemos que a situação é grave. Mas só chegando lá vamos ter a real dimensão do que nos espera. Mas apesar das dificuldades posso garantir ao sócio que teremos um time forte e competitivo para a disputa da Libertadores e dos outros campeonatos que teremos pela frente.

Dá para arriscar que 2018 será um ano vitorioso?

Não posso garantir que seremos campeões. Mas possa afirmar que vamos brigar por títulos. O Santos não pode mais entrar em um campeonato para ser coadjuvante. Nascemos para ser protagonistas. E voltaremos a ser.

 

Andres Rueda- Chapa 3

Qual seu conhecimento sobre a atual situação financeira do Santos?

É uma situação onde precisamos primeiro saber o tamanho real da dívida do clube para poder equacioná-la. Precisamos dos números verdadeiros, e esses números somente com os balanços e parecer da comissão fiscal.

O ano de 2018 será de investimentos no time? Tem em mente um valor necessário para isso?

O Santos terá uma equipe competitiva. Isso posso garantir. Porém, tudo será feito com os pés no chão. Não adianta não honrar salários, iludir o torcedor. Temos que ter compromisso com o Santos FC, muito equilíbrio e de forma transparente para o torcedor mostrando sempre a verdade.

Dá para arriscar que 2018 será um ano vitorioso?

O que posso dizer a você novamente é que o Santos terá uma equipe competitiva. Gestores e profissionais serão contratados e engajados no único propósito de sanar dívidas e ter um time que honra a tradição do Santos em campo.

 

Modesto Roma – Chapa 4

Qual seu conhecimento sobre a atual situação financeira do Santos?

Meu conhecimento é total! Sei exatamente como está a saúde financeira do Santos. Hoje, após reerguermos o clube da maior crise da sua história, posso dizer que tenho know-how em administração de crise financeira no futebol. Afinal, com responsabilidade e muito trabalho, nós conseguimos tirar o Santos do vermelho. Conseguimos superávit nos dois últimos anos da nossa gestão e, mais ainda: atingimos no ano passado o maior faturamento da história do Santos, com R$ 295,8 milhões. Isso representou um aumento de 74% na nossa receita em 2016. Então, além de conhecer a situação financeira, sei muito bem gerir com austeridade o caixa do clube.

O ano de 2018 será de investimentos no time? Tem em mente um valor
necessário para isso?

Depois de colocar a casa em ordem é hora de buscarmos títulos. Vamos formar um grande time, com jogadores de altíssima qualidade. Não é apenas uma promessa. Temos números para comprovar. A previsão para 2018 é de aumento de 60% no orçamento do futebol. Se lutando contra uma crise financeira, nós já conseguimos o bicampeonato paulista em 2015 e 2016, chegamos à final da Copa do Brasil em 2015, voltamos a brigar pelo título brasileiro em 2016 e 2017 e vamos à Libertadores pelo segundo ano seguido, imagine o que podemos fazer com um orçamento 60% maior para o futebol. Hoje temos o melhor custo benefício do futebol brasileiro. Com mais recursos vamos buscar resultados ainda mais expressivos.

Dá para arriscar que 2018 será um ano vitorioso?

Não aposto só em 2018. Aposto nos próximos três anos. Depois de arrumarmos a casa está na hora de pagarmos uma dívida de anos com nosso torcedor: Ter um time de novo no topo do mundo. Queremos o Brasileiro, queremos a Libertadores e queremos o Mundial. Essa é uma meta que vamos buscar a partir do ano que vem. Já demos o primeiro passo que foi garantir a vaga na fase de grupos da Libertadores. Agora, nós vamos para cima deles, como pede nossa torcida. E, a partir do ano que vem, vamos derramar até a última gota de suor para alcançarmos nossos objetivos. Vai ser uma batalha prazerosa, pois não faltará empenho para o trimundial.