O salário e as suas finanças: como não ficar no vermelho, por Edson Moraes*

Em geral, a chegada do final do ano traz angústia e preocupação aos empresários e alívio aos assalariados. De um lado, as despesas com o pagamento de décimo terceiro, férias – pior se forem coletivas –, e a perspectiva de redução nas vendas nos primeiros meses do ano seguinte preocupam os primeiros assim como a receita extra agrada aos segundos.

Em ambos os casos, a solução está no planejamento financeiro. No caso das empresas, a criação de uma provisão efetiva ao longo do ano, além daquela efetuada na contabilidade, garante que o fluxo de caixa não seja afetado com as despesas adicionais do final do exercício fiscal, resolvendo qualquer desequilíbrio. Uma consultoria especializada pode ajudar a equalizar esta questão e resolver o problema da gestão financeira, principalmente em empresas com produtos ou serviços que sofrem com a sazonalidade, em que as despesas certamente seguirão implacáveis e ocorrerão todos os meses, mas as receitas, nem sempre.

No caso dos assalariados, receber o décimo terceiro salário e as férias pode se tornar um evento com sentimentos ambivalentes no tempo. Inicialmente, um alívio, tanto para aqueles que têm dívidas acumuladas e podem usar a receita extra para quitá-las, quanto para os que não as têm, casos raros atualmente. Num segundo momento, pode ser uma angústia.

Explico: o risco está em utilizar inadequadamente a renda adicional e perceber, durante o período de festas ou de férias, que há mais dias que dinheiro até o próximo crédito. Ao receber salário, décimo terceiro e férias em dezembro, o pagamento do mês seguinte só virá em meados de fevereiro, quase 60 dias após ter recebido o líquido de férias. Aquela sensação boa de ter recebido “muito dinheiro de uma vez” será substituída pela angústia de perceber que o tempo é mais longo que as necessidades. Muitas vezes, é nesse momento que novas dívidas se iniciam, com a resolução ocorrendo somente no final do ano, repetindo-se o ciclo aparentemente infindável de angústia e juros.

O segredo, qualquer que seja a situação, é pensar em um prazo mais longo. Comece identificando todas as despesas que terá até que o próximo crédito de salário ocorra e reserve o valor necessário para quitá-las. A partir daí, pense em como gastar o que sobrar, caso sobre. Se ainda faltar, procure divertir-se em casa, com amigos próximos e em programas alternativos ou gratuitos. Use a criatividade. Geralmente é mais barato.

Pensando um pouco mais longe, para se ter muito dinheiro no bolso e saúde prá dar e vender no ano que vai nascer, procure se organizar a partir de agora. Conheça, estime e acompanhe periodicamente suas receitas e despesas. Isto é essencial para qualquer planejamento, seja para a gestão financeira do dia a dia ou para atingir objetivos de médio ou longo prazo, como sair em viagem, permitir que algum filho ou filha, ou você mesmo, curse uma boa universidade, no Brasil ou no exterior, ou comprar um imóvel.

Deixar que receitas e, principalmente, despesas sigam sem acompanhamento e controle faz com que a perspectiva de um futuro financeiro fique à mercê da sorte. Conhecer e gerir sua vida financeira certamente permitirá ajustes ao longo do período e garantirá a geração de reserva para atingir seus planos.

Aliás, o planejamento financeiro só faz sentido se houver objetivos a se buscar. Trace metas que sejam significativas e as transforme em números para que os seus resultados sejam possíveis de mensuração e acompanhamento. Uma vez que dinheiro é um meio e não um fim, se não tivermos objetivos, para que teremos uma poupança? Será que a ausência de desejos realizáveis faz com que se poupe tão pouco neste país?

*Edson Moraes é sócio do Espaço Meio – https://espacomeio.com.br, Executive Coach desde 2014 e Consultor (Gestão & Governança) desde 2003. Foi Executivo do Bank of America entre 1982 e 2003. Seguiu carreira na Área de Tecnologia da Informação, foi Head do Escritório de Projetos e CIO por 4 anos. É Master em Project Management pela George Washington University. Participou de programas de educação executiva na área de TI ( Stanford University, Business School São Paulo e Fundação Getúlio Vargas). Formado em Comunicação Social – Jornalismo pela PUC/SP. É Conselheiro de Administração formado pelo IBGC, Coach pelo Instituto EcoSocial e certificado pelo ICF. Articulista e palestrante nas áreas de Governança, Tecnologia da Informação e Gestão de Projetos.

 

Justiça manda goleiro Raphael Aflalo pagar pensão à família de estudante atropelado e morto

Passados mais de cinco meses, a família de Matheus da Silva Nascimento começou a ver a possibilidade de punição no atropelamento e morte do estudante provocado pelo goleiro Raphael Aflalo Lopes Martins, no dia 9 de abril deste ano, na Avenida Epitácio Pessoa, no bairro da Aparecida, em Santos.

O advogado Airton Sinto, que representa a família de Matheus, conseguiu na Justiça que todos os meses sejam descontados R$ 480,00 do salário de Raphael Aflalo, que atualmente defende o o gol do Clube Desportivo das Aves, de Portugal. O valor parece pequeno, mas é importante dentro do orçamento da família da vítima que é pobre.

O Blog Santos Em Off apurou que o primeiro advogado que defendia a família da vítima entrou na Justiça com uma ação de indenização e reparação de dano moral e material. Com a chegada do novo advogado, o valor da indenização foi duplicado, já que Aiton Sinto entende que o homicídio foi doloso, não culposo (sem intenção).

A Justiça concedeu a pensão à família, antes do julgamento do valor total a ser pago. A família de Raphael Aflalo recorreu por meio de um agravo de instrumento, pedindo o efeito suspensivo, mas ele foi indeferido.

Com a decisão, Airton Sinto pediu a execução e solicitou ao juiz que intime o clube de Portugal a descontar o valor e repassar à família do jovem morto.

Quanto ao processo criminal, ele já está em fase final.

 

 

Atropelamento e morte

Matheus estudava e ajudava o padrasto Charles Nascimento da Silva num carrinho de bebidas na praia. De acordo informações da Polícia, Matheus e Charles Nascimento da Silva, padastro dele, atravessaram a avenida quando foram surpreendidos por uma carro BMW 318 IA, placas BIA 0215, cor prata, de Santos.

Com o impacto, o estudante foi arremessado a alguns metros. Ele foi levado ao hospital, mas sofreu uma parada cardiorrespiratória e faleceu.

A BMW ainda atingiu um veículo que estava estacionado na avenida.

Raphael estava com sua CNH vencida,tentou fugir, mas foi impedido por pessoas que estavam no local.  O caso foi registrado como homicídio culposo (sem intenção) na direção de veículo automotor.

Em julho deste ano, o goleiro com passagens pelo Corinthians e Santos B saiu do Brasil e assinou contrato com o clube português.

A conferir.