Candidatos a presidente opinam se existem vantagens de ser sócio do Santos FC

O Blog Santos Em Off publica,  nesta sexta-feira, dia 8 de dezembro, a continuação das entrevistas com os quatro candidatos a presidente do Santos Futebol Clube. A cada dia serão publicadas três perguntas e as respostas de cada um. A ordem de publicação será o das chapas: 1 a 4. Os temas abordados são: futebol profissional; categorias de base; marketing, administração e finanças, patrimônio, estádio e jogos; relacionamento e marca; sócios.

1- “Movimento Somos Todos Santos”, que traz José Carlos Peres, presidente e Orlando Rollo, vice.

2- “O Santos Que Queremos”, que tem Nabil Khaznadar, presidente e Fábio Pierry, vice.

3- “Santástica União”, com Andres Rueda, presidente, e José Renato Quaresma, vice.

4-“Santos Gigante”, com Modesto Roma Júnior candidato a presidente e César Conforti, vice.

 

José Carlos Peres- Chapa 1

As vendas de camisas representam uma parte significante do lucro dos gigantes mundiais. Como fazer isso no Santos?

Primeiro fazendo o que fazem os “gigantes mundiais “, ou seja, não embarcando em aventuras de fabricação própria e estando associado a grandes marcas. Depois é preciso melhorar as parcerias no que se refere à distribuição e à comercialização. O torcedor em todo Brasil deve ter o prazer de ver nosso manto exibido nas vitrinas das principais lojas de esportes, isso não ocorre hoje. As vendas por Internet são importantes, mas não bastam.

Hoje, vale a pena ser sócio do Santos?

A relação do verdadeiro associado é de amor ao clube. Isso está em primeiro lugar e, neste sentido, tudo vale a pena. O direito ao voto é outro ponto importante e a implantação do voto a distância o levará a mais pessoas. Mas vantagem econômica praticamente inexiste. Inclusive porque o clube fiscaliza muito mal a venda de meia-entrada.

Tem algum projeto para melhorar o Sócio-Rei?

Claro. Além do que já citamos nas respostas anteriores é preciso rever as faixas de desconto. Há diferentes perfis de sócio. O que vai a todos os jogos, o que vai esporadicamente e o que não vai. Qual o sentido de dar o mesmo benefício a todos? Os modelos de mais sucesso em outros clubes atrelar diferentes preços a diferentes benefícios. É o que faremos. Além disso, a primeira providência é o imediato recadastramento dos sócios e avaliação que nos auxilie a compreender o perfil dos nossos associados.

 

Nabil Khaznadar- Chapa 2

As vendas de camisas representam uma parte significante do lucro de gigantes mundiais. Como fazer isso no Santos?

A atual diretoria mostrou como não fazer isso com esse projeto de fabricação e distribuição próprias. Esse modelo fez com o que o Santos se tornasse o clube que menos recebeu com venda de camisa entre os times da Série A. Sou empresário do ramo têxtil. Sempre soube que os valores anunciados eram irreais. Nenhuma camisa oficial dá mais de R$ 50 de lucro para um clube. Venderam uma ilusão e colheram prejuízo. Agora assinaram com a Umbro. Esse é outro absurdo, pois uma decisão dessa importância não pode ser tomada às vésperas de uma eleição. Antes de qualquer opinião precisamos analisar o contrato. Mas se os valores veiculados na imprensa forem reais (cerca de R$ 7 milhões/ano) ainda assim continuaremos a ganhar muito menos que os nossos maiores rivais.

Hoje, vale a pena ser sócio do Santos?

Não. De forma alguma. Prova disso é a nossa altíssima inadimplência. O programa quase não tem atrativos e benefícios. Hoje, a única vantagem na prática que o sócio do Santos tem é o desconto no ingresso. E mesmo com
a nossa base muito reduzida ainda jogamos a grande maioria das nossas partidas num estádio que não comporta todos os nossos sócios. Precisamos mudar isso imediatamente.

 

Andres Rueda- Chapa 3

As vendas de camisas representam uma parte significante do lucro dos gigantes mundiais. Como fazer isso no Santos?

De novo: estruturando projetos com seriedade. Tivemos duas gerações recentemente: Diego e Robinho e na sequência Neymar. Temos a obrigação de entender que o torcedor do Santos, que é um apaixonado, só vai colocar dinheiro em uma situação que em que tenha certeza que será bem aplicado. Temos que ter ídolos jogando. Quando nosso maior ídolo atual é o goleiro, representa um sinal que alguma coisa não está correta.

Hoje, vale a pena ser sócio do Santos?

A gente tem que fazer valer a pena. Com seriedade, bons projetos e respeitando o sócio. Assim, rapidamente a mudança irá acontecer. Vendo esse resultado, o torcedor vai pra arquibancada, será sócio e estará engajado num único propósito que é a paixão pelo clube sentindo-se como dono do clube.

Tem algum projeto para melhorar o Sócio-Rei?

O projeto é simples. Colocar o sócio em primeiro lugar e dar a ele as garantias de ser tratado com respeito. Mostrando que o dinheiro está indo para o lugar certo com responsabilidade. Implementar de fato o que é prometido em várias gestões e nunca é realizado.

 

Modesto Roma – Chapa 4

As vendas de camisas representam uma parte significativa do lucro dos gigantes mundiais. Como fazer isso no Santos?

Nós já conseguimos aumentar nossa receita com a venda de camisas nestes primeiros três anos e nossa expectativa é melhor ainda para as próximas duas temporadas. Afinal, nós assinamos com a Umbro o melhor contrato da história do Santos para fornecimento de material esportivo. Vamos receber, a partir do ano que vem, valores dignos da grandeza do clube. Já demos um salto de rentabilidade quando acertamos com a Kappa a cogestão de nossos uniformes, o que tornou a distribuição muito melhor em comparação ao contrato assinado pela gestão passada, com um varejista. Agora, com a Umbro, avançamos mais ainda porque serão 5 mil pontos de venda, dez vezes mais do que antes. Vamos lucrar muito mais.

Hoje, vale a pena ser sócio do Santos?

Com certeza, vale. Talvez não valesse antes, quando a operadora do programa Sócio-Rei tinha pouco ou quase nada a perder mesmo oferecendo um serviço de baixa qualidade. Agora, é diferente. Com a nossa nova parceria, o clube gerencia cadastro e receitas e o associado ganhou mais facilidades. Ele pode, por exemplo, comprar seus ingressos de forma ininterrupta até a hora do jogo, pode pagar nos cartões de débito e crédito, pode acessar o estádio usando apenas seu celular, pelo QR Code, além de contar um programa de experiências que vão desde encontro com atletas até shows e viagens. Tudo isso, sem contar que, com a troca de empresa, nós conseguimos economizar 40% nas despesas.

Tem algum projeto para melhorar o Sócio-Rei?

Na verdade, esse projeto já está em andamento. Nós queremos manter a ampliação gradativa do nosso quadro associativo. Já temos mais de 30 empresas parceiras oferecendo benefícios aos sócios, mas vamos buscar cada vez mais, sempre com olhar atento aos interesses do associado. Mais de 3 mil sócios já foram contemplados em nosso programa de experiências. Hoje o sócio pode pagar com cartão de débito e crédito que não podia com a operadora anterior. Vamos também aumentar o número de embaixadas oficiais do clube no Brasil e no mundo promovendo ações aos sócios regionalmente. Também vamos desenvolver um canal de comunicação via mobile e outras vantagens.

Confira o que os candidatos a presidente do Santos FC falam sobre as categorias de base do Peixe

O Blog Santos Em Off dá sequência neste domingo, dia 3 de dezembro, com as entrevistas com os quatro candidatos a presidente do Santos Futebol Clube. A cada dia serão publicadas três perguntas e as respostas de cada um. A ordem de publicação será o das chapas de 1 a 4. Os temas abordados são: futebol profissional; categorias de base; marketing, administração e finanças, patrimônio, estádio e jogos; relacionamento e marca; sócios.

1- “Movimento Somos Todos Santos”, que traz José Carlos Peres, presidente e Orlando Rollo, vice.
2- “O Santos Que Queremos”, que tem Nabil Khaznadar, presidente e Fábio Pierry, vice.
3- “Santástica União”, com Andres Rueda, presidente, e José Renato Quaresma, vice.
4-“Santos Gigante”, com Modesto Roma Júnior candidato a presidente e César Conforti, vice.

 

José Carlos Peres- Chapa 1

Qual sua avaliação sobre a atual administração das categorias de base do clube?

Ruim. Se faz necessário a moralização e a competência dos profissionais envolvidos na base.

Pretende mudar algo neste setor se vencer as eleições?

Essa área sofrerá mudanças intensas. Queremos uma base totalmente integrada com o estilo de jogo de nosso clube. Mudaremos a estrutura de captação de atletas, organizando peneiras por todo Brasil. É preciso também investir na infraestrutura de treinamento que está muito aquém do necessário.

O senhor acha que o clube cumpre bem a função de formador de jogadores ou não?

A base é nosso maior patrimônio. A joia da coroa que nos últimos anos vem formando menos jogadores do que necessita. Lembrando também que a formação não é apenas do atleta, mas do ser humano, do cidadão e de um profissional que almeje vencer no Santos.

 

Nabil Khaznadar- Chapa 2

Qual sua avaliação sobre a atual administração das categorias de base do clube?

Muito ruim. O Santos parou de produzir aquilo que tem de melhor: seus moleques. Depois dessa garotada do Sub-17 que vai subir agora o resto é terra arrasada. Essa gestão sucateou a base. Hoje ela é dirigida por gente despreparada e está entregue a empresários e agentes de jogadores. O maior reflexo disso é que não conquistamos nenhum título importante na base nos últimos anos. Vamos acabar com isso. Precisamos cuidar bem da nossa galinha dos ovos de ouro.

Pretende mudar algo neste setor se vencer as eleições?

Vamos promover uma completa reformulação no departamento. Nossa proposta é de levar a molecada para o CT Rei Pelé. Ali eles terão as melhores condições e estrutura para treinar. Além disso, continuarão próximos das suas famílias, da escola e do lazer. Os profissionais irão para o novo CT que iremos construir na área continental de Santos. Iremos utilizar a área onde hoje está localizado o CT Meninos da Vila como moeda de troca para a aquisição do local. Vamos acabar também com as viciadas peneiras e implantar um sistema de captação de talentos em que os jogadores passarão por rigorosos testes de aptidão física e técnica.

O senhor acha que o clube cumpre bem a função de formador de jogadores ou não?

Hoje não, pelos motivos que já citei. A atual diretoria está matando nossa galinha dos ovos de ouro. É preciso uma completa reformulação na base. Outra medida que adotaremos será a criação de uma escola de técnicos. Os profissionais formados lá irão trabalhar com os nossos garotos desde pequenos. Nossa ideia é que desde cedo eles incorporem nosso estilo alegre e ousado de jogar. Garoto criado no Santos tem que saber jogar para frente. Nosso DNA será implantado desde o Sub-11 até o time profissional.

 

Andres Rueda- Chapa 3

Qual sua avaliação sobre a atual administração das categorias de base do clube?

Precisamos melhorar muito. O Santos sempre teve a base como um repositor de peças, e isso deixou de funcionar já faz um tempo. Precisamos imediatamente fazer com que a base volte a suas origens e revelar os grandes nomes da história do Santos. Precisamos acertar os processos e procedimentos de tudo que norteia a base, desde a captação dos jovens para testes, qualificação técnica, avaliação e relacionamento com empresários. Recentemente tivemos uma denúncia na imprensa sobre corrupção na nossa base e até hoje não tivemos respostas da sindicância interna que foi instaurada.

Pretende mudar algo neste setor se vencer as eleições?

Temos a obrigação de melhorar todos os departamentos, inclusive esse que é de fundamental importância para a vida financeira e do futebol do Santos. Temos que considerar nossa base como uma indústria que tem o papel fundamental de gerar craques, que devem gerar frutos no futebol profissional ajudando a ganhar títulos e na hora certa serem vendidos por um valor real de mercado. Somos um time grande com receitas de time intermediário.

O senhor acha que o clube cumpre bem a função de formador de jogadores ou não?

No atual momento não, pois foge as características do Santos. Por isso, precisamos voltar às origens e fazer com que a base reponha as peças, faça ídolos, como tem sido ao longo da história do Santos.

 

Modesto Roma – Chapa 4

Qual sua avaliação sobre a atual administração das categorias de base do clube?

É muito positiva. Nossa base estava abandonada quando assumimos o clube. Salários atrasados, funcionários desmotivados e praticamente nenhum investimento. Nós retomamos a tradição de buscar revelações. Hoje, nós temos um departamento entrosado com nossas franquias dos Meninos da Vila e muitos atletas foram avaliados em nossa gestão. Acreditamos que a formação dos atletas é algo valioso e, para isso, trouxemos um time de ídolos históricos como Juary, João Paulo, Abel para nos ajudar nesse garimpo de talentos. Com esses olheiros avaliamos 30 mil garotos e conseguimos fazer nossa usina de talentos funcionar bem. Hoje, temos metade do elenco profissional do Santos formado por pratas da casa.

Pretende mudar algo neste setor se vencer as eleições?

O Santos tem uma tradição nas categorias de base desde a década de 50 que nós queremos manter viva: formar e revelar atletas. Nós temos a obrigação de manter esse lema. Só que isso independe de pessoas. A nossa filosofia é manter a fábrica em atividade. Temos uma ideia de gestão nas categorias de base e ela não é baseada em uma ou outra pessoa. É baseada na tradição do Santos como clube formador reconhecido em todo o planeta. Veja o quanto o Santos já contribuiu para o mundo do futebol produzindo atletas de alto nível. De Pelé e Coutinho às mais recentes promessas, como Yuri Alberto e Rodrygo, nossa fábrica não para. Em nossa gestão, sempre haverá mãos firmes para fazê-la funcionar.

O senhor acha que o clube cumpre bem a função de formador de jogadores ou não?

Sim, cumpre muito bem. É bem verdade que nem sempre foi assim. Durante a gestão anterior, as coisas funcionavam de maneira diferente. Ou não funcionavam.  Encontramos a base abandonada quando assumimos. Não tinha nem comida no refeitório. Hoje, tudo funciona perfeitamente, o que contribui para o desenvolvimento adequado dos nossos meninos. Tenho o orgulho de vê-los abrigados em um confortável e exclusivo alojamento, a Casa do Atleta, que foi inaugurada pela nossa gestão. Oferecemos todas as condições para garantir a formação dos nossos meninos e colhemos frutos. O Santos é, por exemplo, o único clube a classificar todas as categorias para as finais do Campeonato Paulista, em 2015.

 

 

 

Confira o que os candidatos a presidente do Santos FC falam sobre o futebol profissional

O Blog Santos Em Off começa neste sábado, dia 2 de dezembro, as entrevistas com os quatro candidatos a presidente do Santos Futebol Clube. A cada dia serão publicadas três perguntas e as respostas de cada um. A ordem de publicação será o das chapas de 1 a 4. Os temas abordados são: futebol profissional; categorias de base; marketing, administração e finanças, patrimônio, estádio e jogos; relacionamento e marca; sócios.

1- “Movimento Somos Todos Santos”, que traz José Carlos Peres, presidente e Orlando Rollo, vice.
2- “O Santos Que Queremos”, que tem Nabil Khaznadar, presidente e Fábio Pierry, vice.
3- “Santástica União”, com Andres Rueda, presidente, e José Renato Quaresma, vice.
4-“Santos Gigante”, com Modesto Roma Júnior candidato a presidente e César Conforti, vice.

 

José Carlos Peres- Chapa 1

 Quais são seus planos para o futebol profissional, caso vença as eleições?

Mudança na gestão. Uma superintendência com perfil mais técnico, mais próxima ao elenco. Temos bons valores no grupo de atletas que, evidentemente, deverá ser reforçado, tendo as carências supridas inclusive as ocasionadas pela saída de alguns atletas.

 Tem a intenção de manter o técnico Elano e a comissão técnica ou vai trazer novos profissionais?

Elano é uma referência. Um profissional que muito se identifica com o Clube podendo, no futuro, ser um grande treinador. Entendemos, entretanto, que não é o momento. Vamos investir na sua formação, possivelmente, em ações de intercâmbio com o exterior, desde que haja interesse dele, claro. Somos a favor de uma comissão técnica fixa e o treinador para 2018 será um profissional mais experiente.

 Em quais posições acha que o time está carente e quantas contratações são necessárias para ter um time competitivo em 2018?

Não vamos entrar em detalhes em respeito ao elenco, ainda em competição, mas já estamos analisando o mercado e com nomes fortes para informar em breve.

 

Nabil Khaznadar- Chapa 2

 Quais são seus planos para o futebol profissional, caso vença as eleições?

Podem ter certeza que teremos um time forte, competitivo e com jogadores comprometidos. Chega de atletas  desinteressados, que estão mais preocupados com a conta bancária ou com propostas de outros times. E se for para trazer reforços quero jogador que chegue para resolver. Não dá mais para pagar R$ 300 mil de salário para atleta que nem no banco fica, caso de Leandro Donizete e Thiago Ribeiro. E, claro, vamos continuar apostando na base. O Santos sempre foi campeão com nossos moleques em campo. Na minha gestão os garotos, nossas Joias, serão ainda mais valorizados e terão espaço no time. Cabe ao treinador saber como aproveitá-los melhor.

Tem a intenção de manter o técnico Elano e a comissão técnica ou vai trazer novos profissionais?

Não. O próprio Elano já disse que pretende fazer cursos e se especializar. E como estaremos na fase de grupo da Libertadores precisaremos de um profissional mais experiente e preparado para enfrentar os desafios da competição. Mas antes da escolha do técnico preciso definir quem será o executivo do futebol. Já tenho alguns nomes na cabeça. Gosto muito do estilo do Leonardo, um cara moderno, preparado e com mentalidade europeia. Vamos trazer alguém com um perfil semelhante.

Em quais posições acha que o time está carente e quantas contratações são necessárias para ter um time competitivo em 2018?

Temos até um bom time. Mas o elenco apresenta grandes carências. Nossa campanha no Campeonato Brasileiro é prova disso. Se tivéssemos um banco melhor daria até para ter brigado pelo título, mesmo com a péssima gestão fora de campo. Com certeza vamos precisar de laterais para os dois lados, um meia, um atacante de ponta e um centroavante. Os nomes serão discutidos com a nova gerência de futebol e com o novo treinador que iremos contratar.

Andres Rueda- Chapa 3

 Quais são seus planos para o futebol profissional, caso vença as eleições?

Primeiro precisamos saber qual é o real orçamento que o Santos terá. Não vou enganar o torcedor, prometer coisas que não possam ser cumpridas. O que posso garantir é que o Santos terá um time competitivo, e que vamos fazer um trabalho também para arrumar as finanças do clube. Afim que possamos ter num futuro breve o dinheiro, de fato, indo para o futebol.

 Tem a intenção de manter o técnico Elano e a comissão técnica ou vai trazer novos profissionais?

Essa é uma situação que iremos definir com o comando do futebol. Primeiro temos uma eleição, temos que ganhar o apoio do associado nesta eleição e assim fazer tudo que pretendemos com o apoio dos donos do clube (associados). Tenho certeza que a torcida virá com a gente nesse objetivo.

Em quais posições acha que o time está carente e quantas contratações são necessárias para ter um time competitivo em 2018?

Assim que definir os profissionais que serão contratados para comandar o futebol, isso também terá uma definição. Iremos ouvir e avaliar os profissionais responsáveis por essa área para saber o que precisa ser melhorado. Não podemos cometer o erro e simplesmente contratar sem resultado, aumentando ainda mais a dívida do clube. Agora uma coisa é clara, o jogador é um ativo do clube, e sendo assim a palavra final será sempre da sua direção. Chega de atender demandas sem sentido dos técnicos que depois vão embora e deixam o problema para o clube.

Modesto Roma – Chapa 4

Quais são seus planos para o futebol profissional, caso vença as eleições?

Tenho planos de montar uma equipe para o Santos buscar o tetra da Libertadores e o tri do Mundial. Nós passamos os últimos três anos pavimentando a estrada que nos levará até a realização deste sonho, que não é só meu. É de todo santista. Quando eu assumi o Santos, o cenário era desolador, com incontáveis dívidas judiciais, bancárias e fiscais. Sem contar que os salários e direitos de imagem dos jogadores e funcionários que estavam atrasados havia quase um ano. Na minha gestão, acertamos os débitos com o elenco, renegociamos outras dívidas e estamos quitando tudo. A casa está em ordem. Agora, com uma previsão de aumento de 60% no orçamento do futebol, vamos formar um elenco para ganhar a América e o mundo.

Tem a intenção de manter o técnico Elano e a comissão técnica ou vai trazer novos profissionais?

O Elano é um menino da Vila que se tornou ídolo como jogador. Da mesma maneira, acredito que ainda vai se tornar ídolo também como técnico. Só que ele tem a consciência de que ainda tem etapas a superar. O Elano está em trabalho de qualificação, buscando os certificados de técnico da CBF e isso vai acontecer porque ele é competente. Até, lá não podemos parar. Queremos um técnico com o mesmo espírito vencedor, com trabalhos que comprovem sua capacidade de comandar o grande time que vamos montar. Claro que este técnico precisa saber usar a base do Santos, nossos Meninos da Vila. Já traçamos o perfil. Queremos um técnico com ambição de ser campeão de tudo. Esse é o nosso objetivo.

Em quais posições acha que o time está carente e quantas contratações são necessárias para ter um time competitivo em 2018?

Estamos avaliando isso com muito critério. Para os planos que temos, vamos estudar todos os setores e isso vai passar também pela avaliação do departamento de futebol e do técnico. O que posso garantir ao nosso torcedor é que estamos determinados a formar um time forte para buscar títulos grandiosos. Teremos o Paulista, a Libertadores, a Copa do Brasil e o Brasileiro, e queremos também disputar o Mundial. Então, os reforços precisam ter qualidade técnica inquestionável. Estamos trabalhando para isso. Outra coisa importante a ressaltar é o perfil do jogador. Queremos atletas vencedores, com fome de títulos e de preferência com estilo de jogo similar ao do Santos FC.

 

Modesto Roma registra a chapa e anuncia seu candidato a vice

A chapa Santos Gigante  fez seu registro neste domingo para as próximas eleições do Santos Futebol Clube, dia 9 de dezembro. Vai utilizar o número 4.  Sem surpresas, Modesto Roma manterá  César Conforti como o candidato a vice-presidente. 

“Vamos lutar por um Santos cada vez maior. Passamos os três primeiros anos colocando a casa em ordem, pagando dívidas. Agora, são três anos pra gente voltar a ser mais forte,  grande e campeão do mundo. Teremos um time forte pra vencer os campeonatos que disputarmos”, disse Modesto Roma.

A Somos Todos Santos, de José Carlos Peres e Orlando Rollo,  será o número 1; Santos que Queremos, de Nabil Khaznadar e Fábio Pierry, fica com o número 2; Andres Rueda e José Renato Quaresma ficarão com o número 3 na cédula. A Santos Gigante, de Modesto Roma Júnior, disputa com o número 4. 

A conferir.

Confira quem está na frente da corrida presidencial do Peixe- “Nos Bastidores do Santos FC”

A pouco mais de um mês das eleições no clube, o Blog Santos Em Off teve acesso aos números de mais uma pesquisa. Tem candidato dizendo que está tudo certo para utilização do Pacaembu em 2018;  um conselheiro que anda ameaçando geral; otimismo na campanha de Andres Rueda e muito mais.

Empate técnico

Pesquisa realizada pela União Santista, antes do jogo de sábado na Vila Belmiro, aponta empate técnico entre Modesto Roma Júnior e José Carlos Peres. Andrés Rueda vem em terceiro e Nabil Khaznadar, em quarto.

Empate técnico 2

De acordo com os dados levantados pelo Blog Santos Em Off, a pesquisa foi feita com sócios do Santos Futebol Clube, aptos a votar, no dia 9 de dezembro. Modesto Roma tem 35% das intenções de voto. Peres vem logo atrás com 34%. Andres Rueda obteve 17% . Nabil ficou com 4%. Os indecisos são 7% e votos brancos, nulos ou não vai votar ninguem ficou com 3%.

Mantendo o otimismo

Apesar dos terceiros lugares na últimas pesquisas, a coordenação da campanha de Rueda e Quaresma considera os resultados animadores. Os motivos do otimismo são: Rueda é o fato novo na eleição, sua campanha começou há pouco tempo, a partir de agora ele e suas propostas ficarão mais conhecidos dos sócios do clube e faltam mais de 30 dias para a eleição.

Tudo acertado

Caso Nabil Khaznadar, do grupo “O Santos Que Queremos”, vença a eleição, ele já tem tudo acertado para o Santos conseguir a concessão do Pacaembu. O Santos ficaria apenas com o estádio de futebol e o valor ficaria perto de R$ 4,5 milhões por ano.

Tem que pagar

Qualquer time que venha a atuar no estádio pagará ao Santos pela utilização.

Assédio

Um integrante do grupo de Nabil Khaznadar garantiu que líderes de alguns grupos fechados com outras chapas andam procurando “O Santos Que Queremos” interessados em entrar na campanha. O interlocutor garante que isso aconteceu após a percepção do crescimento de Nabil no cenário eleitoral e que as negociações estão a todo vapor.

Renovar

Apesar do assédio, Nabil pensa em renovar sua chapa. Seus correligionários estão procurando sócios sem experiência política no clube para compor o Conselho. Os interessados devem entrar em contato com o Facebook da Santos que Queremos.

Azedou o leite

O conselheiro Celso Leite já revelou que se a chapa de Modesto Roma Júnior não tiver Cesar Conforti como vice, vai abandonar a campanha Santos Gigante. Ele não gosta nem de ouvir sobre a possibilidade de Adilson Durante Filho, pupilo de Marcelo Teixeira, ficar com a vaga de Conforti.

Senhor Ameaçador

Um conselheiro do Santos está virando expert em ameaças. Sempre “armado” com um taco de golfe, ele pretende agredir seriamente quem não compactua de seus ideias ou contraria suas várias posições eleitorais. Deve ser, em breve, denunciado ao Conselho Deliberativo do clube. Não escolhe desafeto. São sócios, jornalistas, conselheiros etc.

Quem administra?

A pagina Eleições 2017 – SANTOS FC, no Facebook, parece ser um ambiente democrático na internet para discutir as eleições no Peixe. Porém, não é. Quem não tem uma determinado posicionamento político ou é banido ou nem mesmo consegue ser aceito.

Capítulo repetido

Até quando vai continuar essa história que Marcelo Teixeira ainda pode ser a surpresa da próxima eleição ? Pena que dia 19 de novembro, data final para inscrição das chapas, ainda está longe.

Meninos eu vi

Em 2014 foi a mesma história. Mesmo Roma com campanha bem produzida e nas ruas, ficaram colocando Teixeira como candidato. Até quando vão viver de ilusão.

Quinta Chapa

As tentativas de união das chapas não obtiveram êxito e podem causar o surgimento da Chapa 5.

Subindo a Serra

Derrotado em todas as urnas na Capital, na eleição de 2014, Modesto Roma Júnior, da Chapa Santos Gigante, sobe a serra, nesta quinta-feira, dia 9. Às 19h30, participa de uma reunião com apoiadores de São Paulo, no Clube Helvetia, na Avenida Indianópolis, 3145, no Planalto Paulista.

Live Santástico

Andres Rueda e José Renato Quaresma, candidatos da Santástica União, participam de uma transmissão ao vivo (live) pelo Facebook, nesta terça-feira, dia 7, às 19h30, na página do grupo. Eles vão falar e responder perguntas sobre as categorias de base e o patrimônio do clube.

Pau quebrou

Existia muita expectativa sobre as declarações do cartola da DNA, Pedro Doria, no programa Carpool, quando perguntando sobre o racha com a Santástica União. Resultado: o pau quebrou na página do apresentador Felipe Mendes, no Facebook.

Mais pau

Doria é o convidado do Canal do Santos FC nesta terça-feira (7), às 20 horas, com apresentação de Ademir Quintino e Vitor Anjos. Promete mais chumbo nos seus desafetos.

De olho

Fontes de dentro do clube estão de olho nas matérias que estão sendo publicadas por um portal de esportes ultimamente. Algumas pessoas têm absoluta certeza que ex-funcionários do clube estão vazando certos dados internos, sem se preocupar com a clareza e veracidade, distorcendo fatos e fazendo insinuações maledicentes.

Votar na Capital

O eleitor precisa apenas alterar seu domicílio eleitoral, fornecendo os seguintes dados: nome completo, CPF, número de matrícula e documento oficial de identidade. Isso pode ser feito de 3 formas:- Via e-mail, pelo endereço domicilioeleitoral@santosfc.com.br;- Presencialmente, na Secretaria Social do Clube (Rua Princesa Isabel, S/N, Vila Belmiro, Santos);- Presencialmente, na Subsede de São Paulo (Av. Indianópolis, 1772 – Indianópolis, São Paulo).

Votar na Capital 2

O prazo para alteração é até 24 de novembro. Sócios que não solicitarem a alteração até esta data, terão como local de votação a cidade de Santos, independente de onde morem. Para mais informações, acesse: http://www.santosfc.com.br/mesa-do-conselho-deliberativo-i…/

A conferir.