Candidatos explicam seus votos na eleição deste sábado

O Blog Santos Em Off encerra, neste sábado, 9 de dezembro, dia das eleições no Peixe, as entrevistas com os quatro candidatos a presidente do Santos Futebol Clube. Durante oito dias foram publicadas perguntas e as respostas de cada um deles. Os temas abordados foram: futebol profissional; categorias de base; marketing, administração e finanças, patrimônio, estádio e jogos; relacionamento e marca; sócios. A última questão é sobre o próprio candidato. O Blog espera ter contribuído de alguma forma e ajudado aos leitores a definir seus votos. Acompanhe durante todo este sábado, a cobertura da votação e o anúncio do vencedor.

Chapa 1- “Movimento Somos Todos Santos”, que traz José Carlos Peres, presidente e Orlando Rollo, vice.

Chapa 2- “O Santos Que Queremos”, que tem Nabil Khaznadar, presidente e Fábio Pierry, vice.

Chapa 3- “Santástica União”, com Andres Rueda, presidente, e José Renato Quaresma, vice.

Chapa 4-“Santos Gigante”, com Modesto Roma Júnior para presidente e César Conforti, vice.

José Carlos Peres- Chapa 1

Por que o senhor vota em José Carlos Peres para presidente?

Porque estou preparado para liderar a mudança que este clube precisa. Venho me preparando há praticamente 20 anos desde a fundação da ONG Santos Vivo com uma extensa folha de serviços prestados. Minha experiência, tanto no Santos, quanto na vida profissional, me convence de que podemos construir um clube menos dividido, um clube com menos ódio e mais união. Somos todos Santos.

Nabil Khaznadar- Chapa 2

Por que o senhor vota em Nabil Khaznadar para presidente?

Tenho uma carreira bem-sucedida no segmento têxtil. Sou empresário há 40 anos. Trouxe para o Brasil grandes marcas como Hugo Boss, Ralph Lauren, Adidas Original, Lacoste e Original Penguin. Tenho preparo para gerir um clube do tamanho e grandeza do Santos. Conto também com um time de notáveis para me auxiliar na missão. Além do Amir Somoggi, já citado, terei também o apoio do Celso Loducca, grande e premiado publicitário; do empresário Walter Schalka, que será um dos nomes do Comitê Gestor e do ex-secretário municipal de esportes de São Paulo e vereador, Celso Jatene. Por último quero ressaltar que somos a única e verdadeira oposição na eleição do clube. Nunca tive cargo remunerado e os conselheiros eleitos na minha chapa não trabalharão na minha gestão.

Andres Rueda- Chapa 3

Por que o senhor vota em  Andres Rueda para presidente?

As propostas podem ser parecidas, mas o importante é quem vai executá-las. É ter seriedade nesse momento, saber que tem um propósito acima de nós: o Santos. Quem votar em mim estará votando em uma pessoa comprometida no que faz com muita responsabilidade. Isso eu já demonstrei na minha vida profissional. Se queremos realmente profissionalizar o clube, devemos começar pelo maior cargo no clube. Escolher o presidente que tenha maior qualificação para tanto e juntar isso os três grandes pilares que qualquer postulante ao cargo deve ter: honestidade, competência e credibilidade.

Modesto Roma Júnior- Chapa 4

Por que o senhor vota em Modesto Roma Júnior para presidente?

Para ser um bom presidente não adianta apenas nascer e morrer Santos. É preciso viver o clube. E eu acho que isso é o que falta nos outros candidatos. Eu conheço o clube, conheço o mercado do futebol e isso é essencial. Já tivemos um mau exemplo do que pode acontecer quando pessoas despreparadas assumem essa responsabilidade. Nossa administração reergueu o Santos. Agora, temos de avançar e não recuar. Vamos buscar o trimundial e o estádio multiuso essenciais para o Santos seguir gigante.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Confira a opinião dos candidatos a presidente do Santos sobre a situação financeira do clube

O Blog Santos Em Off publica,  nesta terça-feira, dia 5 de dezembro, a continuação das entrevistas com os quatro candidatos a presidente do Santos Futebol Clube. A cada dia serão publicadas três perguntas e as respostas de cada um. A ordem de publicação será o das chapas: 1 a 4. Os temas abordados são: futebol profissional; categorias de base; marketing, administração e finanças, patrimônio, estádio e jogos; relacionamento e marca; sócios.

1- “Movimento Somos Todos Santos”, que traz José Carlos Peres, presidente e Orlando Rollo, vice.

2- “O Santos Que Queremos”, que tem Nabil Khaznadar, presidente e Fábio Pierry, vice.

3- “Santástica União”, com Andres Rueda, presidente, e José Renato Quaresma, vice.

4-“Santos Gigante”, com Modesto Roma Júnior candidato a presidente e César Conforti, vice.

José Carlos Peres- Chapa 1

Qual seu conhecimento sobre a atual situação financeira do Santos?

Acompanhamos com muita atenção os números desde 2015, quando a atual gestão teve as contas reprovadas. Ao contrário das alegações, a dívida cresceu e precisa ser estancada e a partir daí ter o seu pagamento melhor equacionado.Vamos encarar isso de frente.

O ano de 2018 será de investimentos no time? Tem em mente um valor necessário para isso?

Sim. Com os pés no chão e atenção ao mercado. Não é preciso rios de dinheiro para que se tenha um time forte. O ano de 2017 mostrou isso com clareza. Contratações mais midiáticas normalmente mais caras devem estar atreladas aos ganhos de imagem. Um departamento de marketing mais ativo auxiliará nesse processo.

Dá para arriscar que 2018 será um ano vitorioso?

Sim, será. O Santos necessita estar sempre na disputa pelos títulos. Isso é fundamental ao incremento de receitas

 

Nabil Khaznadar- Chapa 2

Qual seu conhecimento sobre a atual situação financeira do Santos?

Temos a informação de que a situação é muito delicada. Nossa dívida é de cerca de meio bilhão de reais. Ao contrário do que insiste dizer o atual mandatário, o rombo aumentou nos últimos anos. Minha maior preocupação é o passivo bancário de curto prazo. O Santos paga cerca de R$ 10 milhões de juros por ano para os bancos. Isso é quase o valor do patrocínio da Caixa, sem o bônus por conquistas. Temos também uma folha de pagamento com mais de 700 funcionários. Um verdadeiro absurdo. O Bayern de Munique não tem nem metade disso. Que clube aguenta isso?

O ano de 2018 será de investimentos no time? Tem em mente um valor  necessário para isso?

Antes de pensar em investimentos será preciso abrir a caixa preta do clube. Sabemos que a situação é grave. Mas só chegando lá vamos ter a real dimensão do que nos espera. Mas apesar das dificuldades posso garantir ao sócio que teremos um time forte e competitivo para a disputa da Libertadores e dos outros campeonatos que teremos pela frente.

Dá para arriscar que 2018 será um ano vitorioso?

Não posso garantir que seremos campeões. Mas possa afirmar que vamos brigar por títulos. O Santos não pode mais entrar em um campeonato para ser coadjuvante. Nascemos para ser protagonistas. E voltaremos a ser.

 

Andres Rueda- Chapa 3

Qual seu conhecimento sobre a atual situação financeira do Santos?

É uma situação onde precisamos primeiro saber o tamanho real da dívida do clube para poder equacioná-la. Precisamos dos números verdadeiros, e esses números somente com os balanços e parecer da comissão fiscal.

O ano de 2018 será de investimentos no time? Tem em mente um valor necessário para isso?

O Santos terá uma equipe competitiva. Isso posso garantir. Porém, tudo será feito com os pés no chão. Não adianta não honrar salários, iludir o torcedor. Temos que ter compromisso com o Santos FC, muito equilíbrio e de forma transparente para o torcedor mostrando sempre a verdade.

Dá para arriscar que 2018 será um ano vitorioso?

O que posso dizer a você novamente é que o Santos terá uma equipe competitiva. Gestores e profissionais serão contratados e engajados no único propósito de sanar dívidas e ter um time que honra a tradição do Santos em campo.

 

Modesto Roma – Chapa 4

Qual seu conhecimento sobre a atual situação financeira do Santos?

Meu conhecimento é total! Sei exatamente como está a saúde financeira do Santos. Hoje, após reerguermos o clube da maior crise da sua história, posso dizer que tenho know-how em administração de crise financeira no futebol. Afinal, com responsabilidade e muito trabalho, nós conseguimos tirar o Santos do vermelho. Conseguimos superávit nos dois últimos anos da nossa gestão e, mais ainda: atingimos no ano passado o maior faturamento da história do Santos, com R$ 295,8 milhões. Isso representou um aumento de 74% na nossa receita em 2016. Então, além de conhecer a situação financeira, sei muito bem gerir com austeridade o caixa do clube.

O ano de 2018 será de investimentos no time? Tem em mente um valor
necessário para isso?

Depois de colocar a casa em ordem é hora de buscarmos títulos. Vamos formar um grande time, com jogadores de altíssima qualidade. Não é apenas uma promessa. Temos números para comprovar. A previsão para 2018 é de aumento de 60% no orçamento do futebol. Se lutando contra uma crise financeira, nós já conseguimos o bicampeonato paulista em 2015 e 2016, chegamos à final da Copa do Brasil em 2015, voltamos a brigar pelo título brasileiro em 2016 e 2017 e vamos à Libertadores pelo segundo ano seguido, imagine o que podemos fazer com um orçamento 60% maior para o futebol. Hoje temos o melhor custo benefício do futebol brasileiro. Com mais recursos vamos buscar resultados ainda mais expressivos.

Dá para arriscar que 2018 será um ano vitorioso?

Não aposto só em 2018. Aposto nos próximos três anos. Depois de arrumarmos a casa está na hora de pagarmos uma dívida de anos com nosso torcedor: Ter um time de novo no topo do mundo. Queremos o Brasileiro, queremos a Libertadores e queremos o Mundial. Essa é uma meta que vamos buscar a partir do ano que vem. Já demos o primeiro passo que foi garantir a vaga na fase de grupos da Libertadores. Agora, nós vamos para cima deles, como pede nossa torcida. E, a partir do ano que vem, vamos derramar até a última gota de suor para alcançarmos nossos objetivos. Vai ser uma batalha prazerosa, pois não faltará empenho para o trimundial.

 

Candidatos a presidente do Santos falam sobre os planos para o Marketing do clube

O Blog Santos Em Off continua, nesta segunda-feira, dia 4 de dezembro, com as entrevistas com os quatro candidatos a presidente do Santos Futebol Clube. A cada dia serão publicadas três perguntas e as respostas de cada um. A ordem de publicação será o das chapas: de 1 a 4. Os temas abordados são: futebol profissional; categorias de base; marketing, administração e finanças, patrimônio, estádio e jogos; relacionamento e marca; sócios.

1- “Movimento Somos Todos Santos”, que traz José Carlos Peres, presidente e Orlando Rollo, vice.
2- “O Santos Que Queremos”, que tem Nabil Khaznadar, presidente e Fábio Pierry, vice.
3- “Santástica União”, com Andres Rueda, presidente, e José Renato Quaresma, vice.
4-“Santos Gigante”, com Modesto Roma Júnior candidato a presidente e César Conforti, vice.

 

José Carlos Peres- Chapa 1

Faça uma análise sobre o atual Marketing do clube?

Muito aquém do que o Santos precisa.

A imagem do clube é ou não bem trabalhado?

Não. E isso, é bom que se diga, não se restringe a ao departamento. Cada notícia ruim, e elas foram e são muitas nesta gestão, atrapalha o desempenho da marca. Recuperar a reputação e a credibilidade são fatores fundamentais.

O que pretende fazer para melhorar esse setor fundamental nos dias de hoje?

Profissionalizar o departamento. Instituir também um departamento comercial. Estar mais aberto a parcerias, entregar mais do que simples exposição. Uma política de licenciamento mais agressiva com a criação de um portal que faça a venda desses produtos no atacado. Um comerciante que queira vender produtos licenciados hoje tem dificuldade em encontrar. São algumas das ações necessárias.

 

Nabil Khaznadar- Chapa 2

Faça uma análise sobre o atual Marketing do clube?

Essa é uma das áreas mais maltratadas por essa gestão. E a dificuldade de encontrar patrocínio é apenas a ponta do iceberg da falta de visão, grandeza e planejamento da atual direção. Essa diretoria apequenou o clube, o tirou da vitrine e diminui sua visibilidade com essa insistência, entre outros erros, de jogar a maioria dos jogos para públicos de cinco, seis mil pessoas. Que grande empresa vai querer se associar a uma instituição que se vende assim? Que canal de televisão irá transmitir uma partida em TV aberta com um estádios às moscas? Como podemos jogar uma partida de quartas de final de Libertadores para 12 mil torcedores? Essas são perguntas têm uma única resposta: incompetência.

A imagem do clube é ou não bem trabalhada?

Pessimamente trabalhada. O Santos se apequenou, perdeu visibilidade e exposição. A falta de transparência é outro fator complicador. Nenhuma grande empresa se associa a um clube dirigido por pessoas que sonegam informações e maquiam dados. Recentemente uma reportagem da ESPN revelou que a atual gestão se valeu de pedaladas fiscais para apresentar um superávit fiscal nas contas. Isso é coisa séria. Não podemos nos esquecer que uma presidenta da República foi derrubada por praticar os mesmos desvios. O clube não pode mais ser administrado dessa forma.

O que pretende fazer para melhorar esse setor fundamental nos dias de hoje?

Primeiro vamos recuperar a imagem do clube no mercado. Para isso vamos abrir a caixa preta. A transparência será um dos princípios fundamentais da minha gestão. Outra medida importante será a transferência dos departamentos de marketing e comercial para a Sub-Sede de São Paulo. Lá estão o mercado publicitário e as grandes empresas. Vamos aproximá-las do clube. A área será comandada pelo Amir Somoggi, um dos maiores especialistas em marketing e negócios do esporte do País. Quero também sentar com a Globo e entender quais as razões que nos tiraram da TV aberta. Um time com a grandeza do Santos não pode perder a visibilidade e ficar escondido da sua torcida.

 

 

 Andres Rueda- Chapa 3

Faça uma análise sobre o atual Marketing do clube?

Esse é um departamento que precisa de mudanças imediatas também. O Santos precisa ser mais agressivo na busca por parceiros, ir ao mercado e mostrar suas estratégias. Não podemos mais ficar atrás de uma mesa. Os profissionais que ocuparem as cadeiras têm que ir a campo. Precisamos entender primeiro o que é marketing e o que é área comercial. Temos que entender o que nosso público deseja e criar produtos para esse público, aumentar a exposição da nossa marca nacional e internacionalmente, só com isso a área comercial conseguirá reverter essas ações em mais receita para o clube.

A imagem do clube é ou não bem trabalhado?

Não, falta muita coisa. O Santos precisa ter diversos setores funcionando dentro do Departamento de Marketing. Aquele que vai atrás de recursos, parceiros, o outro viés que é criar melhor relação com torcedor, o e-commerce que funcione definitivamente. Tudo isso faz com que a receita seja maior e também fortalece a relação com o torcedor. Precisamos dessa relação mais próxima com o clube, pois hoje é distante. Nossa marca vem sendo afetada já ha algum tempo com notícias negativas. Faz pouco menos de 3 anos perdemos vários jogadores por falta de pagamento, denúncias de corrupção na nossa base, derrota vergonhosa em amistoso internacional que nunca deveria ter acontecido, briga com Neymar e por aí vai…. Temos que reerguer nossa marca.

O que pretende fazer para melhorar esse setor fundamental nos dias de hoje?

Contratar pessoas sérias, honestas e capazes. Engajadas em apresentar soluções para os problemas e dispostas a buscar sempre os melhores negócios para o Santos.

 

 

Modesto Roma – Chapa 4

Faça uma análise sobre o atual Marketing do clube?

O Marketing é um setor que consideramos muito importante e que vinha sendo maltratado pela gestão anterior à nossa. A grave crise financeira do clube foi uma herança que tornou mais complicado o nosso desafio de gerar receitas de marketing. Mesmo assim, não nos escondemos. Com um trabalho responsável de recuperação financeira, quitação de dívidas, melhoramos a maneira como o Santos era visto no mercado e conseguimos atrair grandes empresas de volta ao clube. Hoje, temos nossa marca avaliada em R$ 403 milhões, temos ótimos contratos de patrocínios e aumentamos o número de empresas e produtos licenciados em 65%. Agora, com a casa em ordem, vamos gerar mais receitas ainda no próximo triênio.

A imagem do clube é ou não bem trabalhada?

Com certeza é. Nós encontramos o Santos em 2015 com a imagem muito arranhada no mercado por conta da grave crise financeira. Quem iria querer associar sua marca a um clube que não cumpria suas obrigações comerciais, fiscais, judiciais e trabalhistas? Depois que conseguimos equacionar a crise financeira, a situação começou a mudar. O primeiro passo foi recuperar a Certidão Negativa de Débitos, uma exigência, por exemplo, para conseguir o ótimo patrocínio que temos hoje com a CAIXA. Só conseguimos isso porque renegociamos as dívidas fiscais e estamos em dia com elas. O Santos, hoje, não é mais malvisto no mercado. O Santos hoje é um clube que as grandes empresas querem como parceiro.

O que pretende fazer para melhorar esse setor fundamental nos dias de hoje?

Nós temos de continuar crescendo no Marketing. E, com a imagem do Santos em alta, teremos sucesso. Nossa meta é expandir ainda mais a marca do Santos. Com a casa em ordem, vamos setorizar o Marketing com especialistas em cada área para atingirmos mais rápido nossas metas. Vamos criar o setor Comercial, que vai cuidar da venda de propriedades do clube e do relacionamento com nossos parceiros. Teremos o setor de Marca, com o objetivo exclusivo de valorizar ainda mais o nome Santos. Fora o setor de Projetos de Leis de Incentivo, voltado para ações relacionadas a benefícios fiscais. E vamos fazer um sério combate à Pirataria, pensando na valorização dos produtos licenciados.

 

 

 

As novidades da Política do Peixe – “Nos Bastidores do Santos FC”

Nesta coluna, você vai ficar sabendo que teve grupo participando de evento do outro; tem pedido de dinheiro para os sócios;  expectativa por entrevista de dirigente da DNA entre outras coisas.

“Santástica União Que Queremos”

A campanha do grupo “O Santos Que Queremos”, de Nabil Khaznadar e Fábio Pierry, fez um evento neste fim de semana na Embaixada do Tietê. Houve discurso, propostas de campanha e confraternização. Além disso, teve gente de outro grupo de oposição que foi prestigiar.

“Santástica União Que Queremos 2”

Nabil foi abraçado por integrantes da Santástica União. Estiveram com ele, Gilberto, Clovis Cimino e Claudio Leal. Será que conversaram sobre uma participação no chapão, com Andres Rueda, Quaresma, Peres e Rollo?

Pedido de ajuda

A campanha de Nabil anda enviando mensagens via Whatsapp convidando sócios a participar da chapa para o Conselho Deliberativo e pedindo contribuição em dinheiro para custear a campanha à presidência do Santos.

No azul

Conforme pronunciamento na noite de segunda-feira, em encontro com apoiadores, Modesto Roma confirmou o envio ao Conselho Fiscal do balancete referente ao resultado acumulado no terceiro trimestre. O resultado, conforme anunciado, aponta um superavit superior a R$ 79 milhões (ebitda*) e R$ 27 milhões após ajustes dos custos financeiros. * É a sigla em inglês para lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização.

Dinheiro para investir

Com o resultado alcançado no ajuste das despesas e diminuição das contas a pagar feitos nos últimos três anos pela primeira vez nesta gestão o clube terá possibilidade de um investimento maior no time de futebol, sem que isso signifique mais sacrifícios  no fluxo de caixa do clube.

Mudança de cenário

Ainda segundo o mandatário e candidato a reeleição, isso só foi possível pois o clube vai zerar todos os empréstimos bancários hoje em aberto e com isso o valor que se paga de juros e despesas bancárias será canalizado ao esporte.

A hora do time

O clube também enviou, para apreciação do Conselho Fiscal e após aprovação do Conselho Deliberativo o orçamento para 2018. Um dado que chamou a atenção foi que dos quase R$ 300 milhões de receitas previstos quase R$ 200 milhões ficarão com o futebol em todas categorias. Principal, Base e Sereias receberão investimentos significativos no ano que vem.

Não sei!

O candidato a presidente Andres Rueda, da Santástica União, não soube dizer recentemente se o salário do elenco santista está ou não atrasado. Rueda garantiu que não tem acesso a esses dados e que a atual diretoria é que precisa se pronunciar sobre isso.

Agora eu sei!

Como na campanha o que vale é quase sempre falar alguma coisa, Rueda declarou que a situação administrativa do clube é ruim e que o clube está sem dinheiro. Se o empresário não quis falar sobre os salários, será ele que possui dados sobre o caixa do clube?

Expectativa

Existe uma grande expectativa sobre o que o presidente da DNA Santista, Pedro Doria, falou para Felipe Mendes, no Programa Carpool, sobre a saída do grupo da Santástica União.

Churrascada

Domingo, aconteceu uma churrascada organizada pelo clube, em homenagem aos 12 anos do CT. A entrada custou R$ 50,00 para sócios e R$ 80,00 para acompanhantes. A campanha de Modesto Roma foi criticada devido à existência de pessoas vestindo a camisa da “Santos Gigante”.

Corneta com farrofa

Além de tudo, os críticos falaram que faltou comida no churrasco. Em contato com o Blog, os coordenadores da campanha garantem que faltou em apenas 15 minutos, quando os alimentos foram repostos.

Refeitório

A diretoria do Santos inaugura nesta quarta-feira um novo refeitório para os funcionários do clube, ao meio-dia. Estarão presentes 75 convidados, entre autoridades, gestores e sócios.

Vai processar

Lari Franco, musa do Santos FC, perdeu a paciência definitivamente com alguns integrantes de um famoso grupo de oposição. Como vem sofrendo ataques virtuais e sendo xingada de “travesti e garota de programa”, ela garante que já reuniu provas, contratou advogado e vai processar quem falou isso dela.

Comitê na Vila

O grupo “Somos Todos Santos” inaugura no próximo sábado, dia 4 de novembro, mais um comitê. Dessa vez é na Vila Belmiro, das 14 às 20 horas, na Avenida Senador Pinheiro Machado, 301.

Votar na Capital

O eleitor precisa apenas alterar seu domicílio eleitoral, fornecendo os seguintes dados: nome completo, CPF, número de matrícula e documento oficial de identidade. Isso pode ser feito de 3 formas:- Via e-mail, pelo endereço domicilioeleitoral@santosfc.com.br;- Presencialmente, na Secretaria Social do Clube (Rua Princesa Isabel, S/N, Vila Belmiro, Santos);- Presencialmente, na Subsede de São Paulo (Av. Indianópolis, 1772 – Indianópolis, São Paulo).

Votar na Capital 2

O prazo para alteração é até 24 de novembro. Sócios que não solicitarem a alteração até esta data, terão como local de votação a cidade de Santos, independente de onde morem. Para mais informações, acesse: http://www.santosfc.com.br/mesa-do-conselho-deliberativo-i…/

A conferir.

Vem aí ” Nos Bastidores do Santos FC”, no Blog Santos Em Off

Quem me conhece um pouco sabe que, desde 1993, acompanho o Santos Futebol Clube. Muito tempo, estive na função de setorista e, nos últimos anos, atuando num site local, na função de editor, estive ligado aos assuntos do Peixe.
Em 2014, nos meses anteriores aos da eleição para presidente, lancei a coluna “Nos Bastidores do Santos”. Diariamente, publiquei detalhes sobre a corrida presidencial que terminou com a vitória de Modesto Roma.
Bem, agora, vou voltar com a coluna e, em breve, começo a publicar no meu Blog. Até o dia da eleição e a escolha do presidente para o triênio 2018 a 2020, pretendo publicar informações que possam ajudar a definir o futuro do Alvinegro.
Faltando um pouco mais de cinco meses para a eleição, alguns grupos já começam a se articular. O Santos FC está envolvido em três competições (Libertadores, Copa do Brasil e Brasileirão) e os resultados do time já andam servindo como motivo para criticar a atual diretoria.
Foto: Reprodução
Algumas ideias já começam a estourar nas telas do computadores. Umas lembram a administração Luis Alvaro Ribeiro,  o Laor, que começou com ares de modernidade e terminou num absoluto caos, com reflexos sentidos até hoje pela administração Modesto Roma.
A famosa transformação do clube em empresa ainda não tem um exemplo que justifique tal atitude, pelo menos, no Brasil. A questão primordial é que mesmo celebrando contratos milionários e envolvendo quantias astronômicas de dinheiro, os clubes brasileiros têm um formato jurídico que não permite acesso a lucro. Ou seja, não há possibilidade de distribuição de dividendos aos associados, pois esse dinheiro tem de ser reinvestido na estrutura do clube. Isso inviabiliza que grandes investidores coloquem dinheiro visando um ganho a médio e longo prazos.
Bom, isso é só o começo. A conferir.