A ideia surgiu no Santos Futebol Clube e estava prestes a ser colocada em prática, mas uma reunião realizada entre representantes dos clubes de São Paulo, Ministério Público e Polícias Militar e Civil jogou areia na iniciativa.
O clube estava apenas esperando uma autorização para colocar nos jogos realizados na Vila Belmiro: a Banda Santista. O grupo ficaria na direção do meio-campo (meio do retão), atrás dos camarotes e seria composto por 20 ritmistas. Em uma partida as músicas ficariam por conta dos integrantes da Torcida Jovem e na outra da Sangue Jovem, sucessivamente.
O repertório contaria com músicas do Santos FC, não canto de guerra das torcidas, com o objetivo de incentivar o time contra seus adversário no estádio santista. Os instrumentos são todos do Alvinegro, não das torcidas, e todos eles são identificados com ao símbolo do Peixe.
Agora, com a liberação dos instrumentos musicais, ,além dos bandeirões e faixas, a partir do segundo turno do Brasileirão, as Torcidas Organizadas devem levar à Vila Belmiro seus próprios instrumentos e tocar suas próprias músicas, inviabilizando a ideia. A conferir.