Elas começaram pequenininhas, mas de olho num espaço pouco ocupado ou, muitas vezes, abandonado pelos grandes veículos de comunicação da Cidade, alguns comandados por gente que acha que Cultura é assistir ao capítulo da novela das 20 horas ou saber tudo sobre o BBB. As meninas do Juicy Santos trabalharam muito e hoje possuem um verdadeiro “Canhão de Informação”, leitura obrigatória para quem quer aproveitar tudo que existe de bom na Cidade de Santos. A equipe é formada por Flavia Saad e Ludmilla Rossi (sócias), Cris Cipriano, executiva de contas; e Victoria Silva, repórter. O Blog Santos Em Off conversou com a jornalista Flavia Saad.

juii6

Como surgiu a ideia do Juicy Santos ?

O Juicy Santos surgiu a partir de uma necessidade minha e da Ludmilla que, por sermos pessoas envolvidas com a internet e a tecnologia desde novas, sentíamos falta de um ambiente (digital) que centralizasse as informações sobre o que estava acontecendo na Cidade. Nos conhecemos no dia 26/1/2011 e menos de um mês depois o Juicy estava no ar como um blog. Eu trouxe minha expertise de redação, o ritmo de trabalho e as ferramentas do jornalismo diário, e ela, a expertise de design, branding, tecnologia e marketing digital

Você acha que conseguiu cobrir um espaço que a grande mídia deixou de ter atenção?

Nós também sempre achamos muito injusto que as pessoas dissessem que nada de legal rolava em Santos ou que precisava-se ir pra São Paulo (Capital) pra curtir música, cultura, teatro ou mesmo gastronomia. Escolhemos a Cidade para ficar, montar empresa, criar família, porque amamos esse lugar e também acreditamos que o cenário de comunicação precisava de um “refresh”.

Como você vê a cobertura que a mídia local dá para a cultura?

Uma demanda que conseguimos atender e me deixa muito feliz é a do pessoal da cultura, que tem muito pouco espaço pra divulgar de forma constante suas produções – no teatro, na música, no audiovisual, nas artes plásticas… e isso a gente tem orgulho de fazer, abrir o espaço pra eles. Dessa forma, é uma comunidade que abraçou o projeto do Juicy desde o começo e continua nos ajudando muito! Eu acho que a cultura aqui da região é muito abrangente e ampla, e os veículos grandes acabam mostrando um olhar um pouco repetitivo desse cenário, o que a gente tenta evitar.

Vocês provaram que existe muita qualidade e vida inteligente fora dos jornalões?

Nós ficamos surpresas com a receptividade do público, que estava sedento por uma opção. Porque a gente imaginava que haveria esse espaço que a grande mídia não cobria, de registrar a Cidade na internet, suas pessoas e lugares… uma coisa que está a nosso favor é que temos espaço ilimitado e também que construímos essa reputação usando os preceitos do jornalismo de raiz, mas sem perder a ternura e o olhar apreciativo em relação à Cidade.

O que você planeja para o futuro do Juicy Santos e pode contar agora?

O Juicy vai passar por uma grande reformulação estrutural ainda este ano, com novos produtos sendo lançados que se alinham com o que faz mais sucesso no site, que é gastronomia, cultura, lifestyle e oportunidades.

Que faixa etária mais acessa o site?

A faixa etária que mais acessa fica entre 20 e 34 anos, sendo que 60% são mulheres, ou seja, bem ativas economicamente.

foto1

Você acha que alguns veículos não conseguem atingir alguns públicos, pois são comandados em determinadas áreas por pessoas totalmente sem nenhum conhecimento do tipo de informação que estão trabalhando?

Eu devo boa parte da minha experiência aos jornalões e revistas que me formaram e aplico isso no meu dia a dia, como já falei… não teria conseguido construir a credibilidade se não seguisse os preceitos de apuração, checagem etc… porém, também acredito que estamos reaprendendo, acertando e errando na nossa profissão… o que precisamos muito é ouvir o leitor, o espectador, sabe? entender o que ele quer por meio não só de feedback qualitativo, como comentários e mensagens, mas também pelos dados, que a internet nos fornece de maneira tão inteligente.

bazar

Fale algo sobre Juicybazar

É um orgulho para nós. Usamos a nossa “máquina de mídia” para fazer ações sociais como o Juicybazar e estimular o empreendedorismo peer to peer (do inglês par a par ou simplesmente ponto a ponto), que nunca tinha acontecido antes na Cidade. No Juicybazar 2017 (nossa décima edição, desde 2011), arrecadamos mais de R$ 90 mil, que foram destinados para o Instituto Beaba (educação para o câncer infantil) e o Instituto Ecofaxina (limpeza das áreas de mangue do litoral de SP). Cada uma ficou com pouco mais de R$ 42 mil. Foram mais de 1.700 pessoas circulando, 60 voluntários envolvidos e 47% de crescimento em relação ao evento em 2016. E essa mobilização só foi possível graças ao alcance de uma mídia como o Juicy Santos. O negócio de comunicação que tem uma ligação com a Cidade tem esse papel, na nossa opinião.

O que podemos esperar do Juicy nos próximos anos?

Além da reformulação gráfica, o Juicy quer se firmar cada vez mais como um veículo de credibilidade e serviços pra população de Santos. Digo que acordamos todos os dias com a meta de tornar a Cidade um lugar mais legal pra se viver, apesar dos problemas que sabemos que existem aqui. Falamos sobre o que é bom aqui, mas sem fechar os olhos para aquilo que precisa ser melhorado. É importante notar que o setor de comunicação está mudando numa velocidade absurda, e cabe a nós que estamos à frente dos veículos acompanhar de forma ágil essa maré. No Juicy, por exemplo, as mudanças são praticamente diárias. Vamos vendo diariamente o que funciona, o que não funciona tanto, o que pode melhorar e no que devemos investir.

A conferir.