​Reprodução

O engenheiro e consultor ambiental Elio Lopes é um dos maiores especialistas sobre Meio Ambiente do País. Ele conversou com o Blog Santos em Off sobre os últimos acidentes na região.

O acidente da Vale foi o segundo grande na Baixada Santista em pouco tempo. Aque voce atribui isso?

Em tese esses acidentes Tecnológicos podem ser atribuídos a alguns fatores: negligência, imprudência, má gestão, agravados em determinados casos pela crise  econômica, neste quesito, diminuição dos quadros de funcionários até troca de pessoal experiente por conta de salários elevados, substituindo por inexperientes de baixos salários. Aposentadoria de pessoal experiente sem o devido acompanhamento necessário à transferência de conhecimento. Perda do histórico dos macetes operacionais.

Dá a impressão que tudo acontece e ninguém está preparado. É isso mesmo?

Falta manutenção preditiva e preventiva; falta de treinamento adequado e por aí vai. Inclusive falta de perspectiva de futuro do povo brasileiro.

Estamos sujeitos a a grande catástrofe?

Um dos componentes sempre presente nas minhas perícias e a ganância.  Ganhar dinheiro não é pecado, o problema é a ganância. Vide para quem já esqueceu o trágico evento ocorrido no Club de Regatas Santista. Como autor do laudo, posso afirmar que a ganância estava presente. Era para uma lotação máxima de 1700 pessoas e tinham 6000 pessoas. Inclusive com a conivência da Prefeitura que faturou em cima desse total. Vários bares espalhados pelo salão, vendendo bebidas alcoólicas para menores de idade. Para que um acidente se materialize, há necessidade de se juntar duas ou mais variáveis.

A Cetesb determinou a paralisação das atividades da Vale. O que achou disso?

A empresa Ultrafértil, atual Valefértil, sempre se notabilizou por ter um excelente corpo técnico. É uma empresa diferenciada. Mas às vezes, falha nas pequenas atividades de limpeza em equipamentos, que pode colocar tudo a perder.