Nesta coluna, detalhes e bastidores da reunião extraordinária realizada na noite de segunda-feira, dia 27 de maio, no Conselho Deliberativo.

Histórica

A reunião extraordinária do Conselho Deliberativo desta segunda-feira (27/5) foi tida como histórica por parte dos membros do colegiado devido aos erros cometidos tanto pela Mesa do Conselho como e, principalmente, pelo presidente José Carlos Peres e pelo Comitê de Gestão que, sem ajuda de ninguém, conseguem sozinhos se colocarem em situação difícil.

Presenças ilustres

Mesmo sem terem sidos convidados ou convocados, o presidente José Carlos Peres e os membros do Comitê de Gestão, Pedro Doria Mesquita e Matheus Rodrigues (vereador de Bertioga) compareceram à reunião e, desta vez, ficaram até no debate dos assuntos gerais, o que não ocorreu nas últimas reuniões.

Aprovada

A Embaixada de São Bernardo e Diadema foi aprovada, apesar de muitos conselheiros quererem vetá-la, graças a um trabalho especial do presidente Marcelo Teixeira, que mostrou aos conselheiros que a Embaixada cumpriu os requisitos legais para aprovação, mesmo reconhecendo a fragilidade do cadastro social do clube. Teixeira foi convincente antes da reunião e brecou a ação pela reprovação.

Na conta do Sindicato

Felizes com a aprovação, membros da Embaixada preparam a primeira grande festa do Santos na Cidade, financiada pelo Cidão do Sindicato, o empresário de estimação da atual gestão e o escrutinador do chapéu panamá dos pleitos eleitorais do Santos. Sindicalista do ABC, político (cassado pela Justiça Eleitoral) e empresário de futebol, Cidão está ligado a Peres e seu grupo há cerca de 7 anos. E promete fazer a embaixada de São Bernardo superar o sucesso da Embaixada de SP. Aguardemos, pois apoio de Peres e companhia não vai faltar.

Motivo da presença

Aliás, a aprovação da Embaixada foi o que levou Peres a ir ao Conselho na segunda-feira (27). Aos amigos, Peres afirmou que essa embaixada estrategicamente é a mais importante para o clube. Só não explicou o porquê, mas não é difícil de adivinhar.

Demonstração

Como previa a pauta, uma empresa indicada pelo Comitê de Gestão apresentou uma proposta de votação a distância para o plenário do Conselho. Foi apenas uma apresentação, sem votação ou deliberação.

Segurança zero

Os conselheiros que questionaram os dois técnicos da empresa presentes ficaram impressionados como eles não garantiram em nenhum momento a segurança e a confidencialidade dos votos, como manda o Artigo 30 do Estatuto Social.

Erro de indicação

O conselheiro Alexandro Pereira Soares questionou no Plenário o processo de indicação da empresa, uma vez que o Artigo 30 do Estatuto Social diz que é prerrogativa do Plenário aprovar ou não e indicar como fazer o voto a distância. Como Peres pode ser candidato à reeleição, a indicação partindo dele viciaria de início o processo.

Minha mulher me mata

Na coletiva de apresentação de Marinho, na manhã de segunda-feira (27/05), Peres afirmou que não seria candidato à reeleição: “Minha mulher nem quer ouvir isso, ela me mata”, respondeu o presidente, dizendo não contar com o apoio de sua esposa e sócia na Peres Sports & Marketing, Maria de Lourdes Rocco.

Fim da mamata

Na mesma coletiva, disse estar saneando o clube e que o Conselho Fiscal não entendeu a contabilização da transferência do dinheiro do Rodrygo, afirmando ser perseguido pelos conselhos Fiscal e Deliberativo. “Estamos saneando o clube e acabando com a mamata. O problema é isso”.

Esqueceram de mim?

Um conselheiro de renome, em contato com a coluna, afirmou que Peres só se esqueceu de dizer na coletiva que “aumentou” o número de funcionários do clube em relação a Modesto Roma. E se esqueceu que entre os que perderam a mamata está o próprio Peres, que desde 2005, por 11 anos (entre uma pequena pausa do meio da gestão Odílio até o meio da gestão Modesto), foi funcionário PJ ou CLT do Santos FC, onde permaneceu até maio de 2017. A “mamata” também acabou para ele.

Vive como?

Esse mesmo conselheiro jura que quer entender como Peres sobrevive, uma vez que sua única fonte de receita nesse período de 11 anos foi o Santos, e o cargo de Presidente não é remunerado. O conselheiro questiona se não existe outro “grupo Resgate” pagando o salário dele como pagou para Luiz Alvaro de oliveira Ribeiro de 2010 a 2013.

13 acusados

O conselheiro Jairton Seixas está recolhendo assinaturas em um requerimento de quase 500 páginas onde pede a expulsão do quadro associativo dos 13 sócios que estiveram no Comitê de Gestão no exercício de 2018. As razões são gestão temerária e apropriação indébita por causa do Profut. Há também indicações individuais, como o caso de membros que renunciaram ao Comitê de Gestão, fizeram denúncias na Imprensa e no Plenário, mas não tomaram nenhuma ação efetiva para aprovação e penalização destas denúncias. Seixas pede o afastamento imediato de todos durante e apuração, com base em vários artigos do mesmo Profut.

Muitas assinaturas

A peça já passou das 10 assinaturas e tem potencial para ser uma das mais assinadas, pois recebe apoio informal e formal de quase todos os poderosos conselheiros do clube.

Responsabilidade

Jairton Seixas explica em seu requerimento que é vital para o Santos o Conselho deliberar com urgência o tema para obedecer o regulamento do Profut. Do contrário, uma dívida de tributos de mais de R$ 128 milhões recairá no caixa do clube, inviabilizando qualquer gestão.

Empolgado

Na boca pequena, um dos mais empolgados com a possibilidade da saída dos 13 membros do Comitê de Gestão é o conselheiro efetivo e ex-vice-presidente do Santos, Clodoaldo Tavares Santana. Ídolo dentro de campo, Santana viveu muitos períodos da história do Santos e diz a amigos que teme pelo futuro do clube, caso continue como está.

Nada a ver

Aos que pensam que Clodoaldo diz isso porque foi demitido por Peres no início de 2018 de seu cargo no Departamento de Futebol, nos cabe lembrar que Luis Alvaro também o demitiu em 2010 e Corró nunca criticou a gestão do hoje saudoso LAOR.

E o Consultivo?

Em plenário, o ex-presidente do Conselho, Esmeraldo Tarquínio Neto, questionou a Mesa a pautação para a reunião de segunda-feira (27/05) da votação pelo plenário do Planejamento Estratégico. Tarquínio lembrou que, de acordo com o Parágrafo Quinto do Artigo 75 e com a alínea b do Artigo 76 do Estatuto Social, os dois itens citados afirmam que o Planejamento Estratégico deve ser elaborado com a participação do Conselho Consultivo, que deverá promover reuniões trimestrais para isso.

Nenhuma

Desde o início desta gestão, o Conselho Consultivo, órgão composto pelos ex-presidentes do Conselho e da Diretoria que é presidido pelo atual presidente do Conselho, Marcelo Teixeira, está em desacordo com o texto do Estatuto Social

Tirou da reta

Após ser questionado, Teixeira quis colocar em votação pelo Plenário a retirada da pauta da votação do Planejamento Estratégico. Se o plenário quisesse votar, votado ele seria.

Enquadrado

Após colocar a votação em Plenário, Teixeira foi questionado pelos conselheiros Vagner Lombardi e Celso Jatene, dizendo que a retirada de itens da pauta é deliberação exclusiva do Presidente do Conselho.

Perdeu

Depois das duas falas, Teixeira tomou a decisão e retirou da pauta a votação e pediu a compreensão de Peres para o fato.

Tímido

O Planejamento elaborado prevê até 2023 a conquista de dois Paulistas e um vice da Libertadores. Tímido pra um time com técnico de renome internacional e mais de 7 jogadores em seleções.

Desobedece

Além disso, o Planejamento apresentado desobedece o que indica o Artigo 79 do Estatuto, que diz que ele tem que ser apresentado em até seis meses de gestão e ser de três anos. O estudo apresentado, elaborado pela Ernest & Young que cobrou uma fortuna do Santos para isso, foi finalizado em 1 ano e 4 meses de gestão e prevê cinco anos de gestão no clube. Em total desacordo com o Estatuto.

Simmmm ou Nãoooooooooo

O conselheiro Clóvis Cimino questionou Peres sobre a participação do empresário Renato Duprat na gestão do Santos. A pergunta foi dividida em cinco questões todas respondidas secamente pela palavra não.

E agora, José ?

Depois de negar sequer ter se encontrado com Duprat, Cimino apresenta uma foto de Peres, o jogador Cueva e Renato Duprat em um hotel em São Paulo, o que levou o plenário a loucura.

Ok, ok

Ao ver sua mentira descoberta, Peres foi para o ataque e chamou Cimino de “fofoqueiro”.

Cresceu o nariz?

O questionamento foi gravado em áudio e a foto circulou o whatsapp do mundo todo. Um conselheiro inclusive, em tom de brincadeira, diz que vai indicar Peres aos Disney Studios, para encenar a versão live-action de Pinóquio. Quem pensa que será no papel de Gepeto, devido a Peres ter mais de 70 anos se equivoca. É no papel principal mesmo.

Ele mesmo

Para quem não lembra quem é Renato Duprat, é o ex-conselheiro do Santos (de 95 a 99), presidente da Comissão de Arbitragem da CBF em 1995 (ano de triste lembrança pro Santos e de grande lambança pra arbitragem nacional), médico, dono da Unicor que patrocinou o Santos de 95 a 99 (e não pagou o último ano), ex- parceiro de Pelé que colocou o Rei na Justiça, ex- homem forte de Kia Joorabichian, no Corinthians, principal diretor no Brasil da Doyen que fez os péssimos negócios no Santos na gestão de Odílio Rodrigues, com Leandro Damião, Lucas Lima, Gabigol, Geuvânio e Daniel Guedes cujos pagamentos o Santos ainda está fazendo. Haja folha corrida.

Omitir e mentir

Ao ser desmascarado em público, Peres disse que não mentiu, mas omitiu. Foi vaiado no Plenário.

Questão

Na verdade, empresário sempre esteve no futebol, é uma função como qualquer outra, há bons e ruins. O que tem estragado no futebol são os dirigentes mentirosos que fazem acordos obscuros com esses empresários. A pergunta é: Porque Peres escondeu tanto Duprat? Será que há algo ilegal que justifique a mentira ou tanto medo da verdade vir à tona?

Orgulho

Peres disse que a questão de Cimino com ele é pessoal. Disse ter indicado Cimino ao Conselho em três dos quatro mandatos que Cimino tem como conselheiro. E que o problema é pessoal. Mas o que isso tem a ver com Duprat? Cimino desmascarou Peres e ele ficou sem saber o que falar, e partiu para o ataque covarde.

Explicou

Cimino explicou que sempre foi conselheiro do grupo de Peres, até a fatídica eleição para a Mesa do Conselho em 2014. Peres teria autorizado Alberto Pfeifer, Marcelo Bittencourt e Illiucha Vale a montarem uma chapa para disputar o pleito e depois disse não ter feito isso, pois iria apoiar Marcelo Teixeira, seu ex-patrão. Como Teixeira não se candidatou, Peres apoiou Fernando Bonavides, indicado por Teixeira.

Chefinho

Vale lembrar que Peres foi funcionário do Santos de 2005 a 2009 contratado por Marcelo Teixeira. Indicado por Teixeira, foi eleito CEO do G4 Paulsita em 2009. Também indicado por Teixeira, Peres foi gerente de Marketing Internacional da Gestão Modesto Roma com salário de R$ 35 mil CLT pagos pelo clube. Isso talvez explique os motivos de que Peres sempre pende para o lado de Teixeira.

Enquadrou

Relator da Comissão de Inquérito e Sindicância, Rubens Passos, enquadrou Peres após ele ter chamado Cimino de fofoqueiro, pedindo liturgia do cargo e respeito aos conselheiros do clube.

Pediu desculpas

Após tomar o “pito” de Passos, Peres pediu desculpas ao plenário e disse que já foi ofendido também. Depois da mentira do caso Duprat, ninguém viu sinceridade no pedido do presidente do Santos. Um conselheiro-jornalista disse a coluna que, naquele momento, se lembrou de uma frase célebre de Didi Mocó Colesterol Sonrisal, personagem do trapalhão Renato Aragão: “Quem mente um, mente dois”.

Omisso?

Se foi ofendido no Plenário e o Conselho é seu inimigo como ele anda declarando, por que Peres não tomou providências contra quem o ofendeu?

Mais uma expulsão

As desculpas de Peres não vão adiantar. Cimino e muitos conselheiros já planejam entrar com um pedido de expulsão de Peres pelos fatos ocorridos nesta reunião, inclusive com a ofensa que se enquadra na alínea b do Artigo 16 que define as regras para expulsão do quadro associativo.

Palmadas no Menino de Ouro

No púlpito, o combativo conselheiro Vagner Lombardi estava questionando Peres quando o membro do Comitê de Gestão, Pedro Dória Mesquita, começou a bater boca direto da mesa com ele. Lombardi enquadrou o gestor e disse que ele estava no plenário como convidado e que não lhe tinha dado a palavra. Exigiu respeito e Pedro foi contido por Matheus Rodrigues.

Não sou a mamãe

A outros conselheiros, Lombardi disse que estava esperando Mesquita ir tomar satisfações com ele, no estilo dos embates familiares que ele tem e que estão registrados judicialmente. “Não sou a mãe dele, vou até o fim”, teria dito Lombardi a um conselheiro do Movimento Pro Santos. Em contato com a Coluna, Lombardi garantiu que não disse nada disso.

Lambança

Na coletiva de apresentação de Marinho, Peres garantiu que pediu e a CBF vai mudar o jogo de volta da Copa do Brasil com o Atlético Mineiro do Pacaembu para a Vila. Horas depois, a CBF confirmou a mudança. No fim da tarde, descobriu-se que, no regulamento da Copa do Brasil há um artigo que diz que o local da partida de volta deve ser definido antes da partida de ida. Com isso, a CBF voltou atrás e reconfirmou a partida ao Pacaembu.

Note e anote

Então os dois jogos com o Atlético Mineiro, dia 6/7 (Copa do Brasil) e dia 9/7 (Brasileiro) serão no Pacaembu. E o clássico com o Corinthians no dia 12/7 pelo Brasileiro é na Vila.

Corinthians, de novo?

Por sugestão de Peres, o Santos estuda ficar a semana de 4 a 10 concentrado em São Paulo treinando no CT Joaquim Grava para enfrentar o Galo.

Não viu?

Será que ao sugerir isso, Peres não percebeu que o jogo seguinte será contra o Corinthians na Vila? Vão treinar pros olhos do inimigo?

Tietê

A Cidade de Tietê, em São Paulo, é conhecida nacionalmente por ser terra-natal de Michel Temer. E também por ter uma grande massa de torcedores santistas que realizou no mês passado o encontro anual local, com lançamento do livro sobre o título de 2002 do ex-presidente Marcelo Teixeira. Presente no evento, o ex-jogador Clodoaldo, de microfone em punho para 300 santistas, lançou entusiasmado a campanha de Marcelo Teixeira para presidente do clube em 2020.

Olhar de Bolsonaro

Após o discurso de Clodoaldo, o ex-atleta foi alvo de um olhar de indignação da esposa de Teixeira, Valéria Teixeira, presente no evento. O olhar mirava a total reprovação da fala de Corró e fazia inveja aos olhares de ódio do presidente Jair Bolsonaro.

Pressão

Outro que está sofrendo pressão para ser presidente do Santos em 2020 é o ex-lateral Léo. A pressão vem da torcida Sangue Jovem e é forte.

Sem sucesso

Mas, Léo garante que não quer mais saber de cargos elegíveis no clube.

Massaranduba e Gaguinho

Nas rodas de café de uma bem frequentada padaria do Canal 7, e em uma cafeteria do Pátio Iporanga, está sendo desenhado um criterioso projeto para o futebol do Santos FC que será apresentado por um candidato. Esse projeto está sendo desenhado pelo ex-goleiro Fabio Costa e o ex-atacante Deivid. Aguardemos.

A conferir.