ban-coffee

Fotos: Reprodução

Não está fácil pra ninguém, nem para o trabalhador que gosta de tomar um cafezinho durante a jornada de trabalho ou mesmo precise fazer um xixi. De acordo com o site do Tribunal Superior do Trabalho (www.tst.jus.br), a Subseção Especializada em Dissídios Individuais (SDI-1) restabeleceu a condenação da Toyota do Brasil a contabilizar como horas extras duas pausas de dez minutos que os trabalhadores faziam para degustar a bebida.

A questão foi parar na Justiça, pois a empresa entende que as paradas não integravam o intervalo intrajornada de uma hora e eram acrescidos à jornada do empregado.

sina

A ação foi proposta por um operador que garantiu que a montadora japonesa exigia que fosse feita a compensação dos dois intervalos, um pela manhã e outro à tarde, tanto para o café ou para ir ao banheiro.

O TST reformou a decisão do Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região que tinha absolvido a Toyota de incluir os intervalo no cálculo das horas extras. A empresa japonesa está recorrendo da decisão. A conferir.