assedioReprodução
A greve do funcionalismo público de Santos completa mais um dia hoje com a concentração, às 8 horas, na Praça das Bandeiras, no Gonzaga. O Sindicato dos Servidores Municipais (Sindserv) garante que já existem 9 mil dos 13 mil (celetistas e concursados) em atividade no Município de braços cruzados
Enquanto os vereadores santistas, com exceção de Telma de Souza (PT), ficam mudos e se eximindo da responsabilidade com muitos dos seus eleitores, a pressão psicológica nos equipamentos públicos se faz presente.
O Blog Santos em Off apurou que um pediatra que tem um cargo de chefia estaria assediando moralmente os funcionários que são subordinados a ele. O doutor tem obrigado a chefia de um importante setor da saúde pública a “riscar o ponto” dos grevistas. Além disso, o médico monitora tudo para repassar à Prefeitura “um falso percentual de adesão à greve”.
Mesmo com o terror instalado, há uma operação-tartaruga em curso, com apenas os atendimentos essenciais sendo realizados.
Só para lembrar é absolutamente proibido coagir, prejudicar e discriminar o trabalhador que tenha aderido a uma greve. Quem faz isso está infringindo o Parágrafo 2º do Artigo 6º que diz que “É vedado às empresas (ao governo) adotar meios para constranger o empregado ao comparecimento ao trabalho, bem como capazes de frustrar a divulgação do movimento” . A conferir.